quinta-feira, 16 de setembro de 2010

VINTE E UM REAIS E CINQUENTA CENTAVOS

Uma e vinte um no bar!

Música ao vivo meio Morta!

- No mínimo morna!

 

Eu fiz a conta

e deu um garçom

para cada 6,25 pessoas!

 

Na metade fumarenta e obscura,

uns vinte gatos pingados

fazem barulho...

 

Na metade sem fumaça,

eu, um casal de lésbicas

e um outro de sexo opostos...

 

Pelas paredes

as fotos desbotadas que,

assim como eu,

há muito tempo

não dizem muito...

 

E meu estômago, de fome,

que canta melhor que a guria,

no palco diminuto,

que pensa que canta!

 

Claquete sem anotações pra edição!

"Remake" do filme da minha vida

que ninguém viu, nem eu...

 

E o miserável repertório

rolando impune

e que é capaz de forjar duetos improváveis:

Scorpions e Alanis Morissette;

Pato Fu e Ana Carolina misturados...

Se eu fosse dar uma nota, dava zero!

 

Coca-Cola zero e gelo, esses sim!

- Pastel de queijo e frango a passarinho...

 

E, pra variar, eu antes das duas, enojado,

pagando a conta e saindo sozinho!

 

19 comentários:

  1. Querido amigo, pagar a conta e sair sózinho...que tristinho. Beijocas

    ResponderExcluir
  2. Uma cena tão cotidiana...O pstel, a coca e a solidão.
    Ainda bem que nada dura pra sempre.

    ResponderExcluir
  3. O triste foi sair sozinho... mas no total... adorei a sua forma de descrever esta situação...
    Beijos, flores e muitos sorrisos!

    ResponderExcluir
  4. Frango a passarinho? Não é à toa que você saiu enojado! Quanto à música, todos precisam ganhar a vida, não é mesmo? rsrs. Beijos, Deia

    ResponderExcluir
  5. Sabe... antes só que mal acompanhado!
    Pelo menos,rendeu a inspiração para nos brindar com esse rico poema.

    Desejo que a próxima noite seja muito melhor e se possível acompanhado de seu amor.
    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  6. Escrever é algo além da própria liguagem falada. Versos originais e cheios de sujeira tal qual as palhetadas de Hendrix.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Saudades Menino LIndo!

    Sabe que amo o que você escreve, amo mesmo tua irreverência, uma pena que anda meio sumnido, mas que bótimo que apareceu.


    Olha não sei o que foi pior na tua Noite, não sei, tô pensando...rsss...

    As letras essas sim se deram bem em te encontrar.

    Beijo e não some tanto tempo assim.

    ResponderExcluir
  8. E eu fiquei pensando o que tu fazias lá...achei a resposta: poesia. Fizeste poesia nascer da fumaça e da improvável (ou não saudável) combinação de pastel de queijo e frango a passarinho.

    beijo

    ResponderExcluir
  9. Seus poemas... sempre com lampejos de tristeza. Muito lindo, Daniel!

    Saudades!

    ResponderExcluir
  10. Ninguém é completamente só. Até a solidão carece de complemento...

    Blog nota 10!


    Bjos

    ResponderExcluir
  11. Serei óbvia.
    Antes só do que mal acompanhado.

    ResponderExcluir
  12. Teus textos tocam na ferida, Daniel. Sempre me vejo neles. Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Um texto real. Translúcido como lente de contato. Ali não daria e pelo texto, nada combinava com o narrador.
    Incompreensível as vezes, é a persistente solidão. E ela se espalha, como doença inflamatória.


    Gostei do texto.





    P.S.

    Preciso muito falar contigo.

    beijo

    ResponderExcluir
  14. Excelente...captou muito bem os detalhes, a atmosfera, as sensações..dá pra sentir!!

    []ss

    ResponderExcluir
  15. Que meleca de bar!!

    Teve que pagar couvert?

    ResponderExcluir
  16. Um poema vivo... como vc escreve bem, menino! Gostei demais...
    Beijokas.

    ResponderExcluir
  17. Cena triste, mas aqui ficou lindo! abraços,chica

    ResponderExcluir

Adorei a sua companhia no caminho dos plátanos. Volte quando quiser!